Gemidos marxistas

ventos_gemedores_g

A editora Letraselvagem, através de seu editor Nicodemos Sena, vem fazendo um interessante trabalho de repescagem da literatura brasileira esquecida, procurando dar a vários livros uma nova circulação. É o caso do romance Os ventos gemedores, de Cyro de Mattos. Nele, a inspiração em Faulkner, cara a Mattos, mais uma vez se manifesta no seu interesse de, com tintas metafísicas, registrar o confronto entre espoliados e um latifundiário.

O autor enfatiza a condição humana que move esses explorados em busca de mudança mas que, estando numa sociedade fortemente hierarquizada e controlada pela força, encontra como resposta a violência. A guerra é inevitável, assim como é marcante o olhar de Mattos moldado pelo marxismo que apregoa a revolução e formata a escrita, as ideias. No entanto, Mattos, sem alcançar a excelência do texto e as nuances reflexivas de Faulkner, chega a ser primário e às vezes piegas e ingênuo com seus óculos comunistas, circunscrevendo o romance a uma condição menor que o marca como regionalista, focado no ciclo do cacau na Bahia, sem alcançar a arrasadora lição de Guimarães Rosa no trato com esses temas.

→ Os ventos gemedores. Cyro de Mattos. Taubaté: Letraselvagem, 2014.

 

Trecho:

“Meninos e meninas entregam margaridas aos feridos. Almira coloca a coroa de flores silvestres na cabeça do vaqueiro Genaro. Um herói. Um anjo que desceu do céu. O libertador dos humilhados e ofendidos no território do Japará.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s